Portfólio de Embriologia
Just another WordPress.com weblog

O QUE SÃO FERORMÔNIOS?

Ferormônio, fero,do grego, significa transportar e órmon significa excitar.

Em suma, são mensageiros químicos envolvidos na seleção de parceiros e na reprodução entre animais. São detectados pelo órgão vomeronasal e muitos são inodoros.

Logo, alguém pode até se perguntar: “Nós, seres humanos, também somos influenciados por ferormônios”?

Não é novidade que diversos mamíferos, como os camundongos, dependem reprodutivamente dessas moléculas excitadoras, porém não existe um consenso da existência e da influência de tais mensageiros químicos nos humanos.

Os estudos do anatomista Leo Demski da Universidade do Kentucky e do veterinário Sam Ridgway do Centro de Sistemas Navais Oceânicos Norte Americano, divulgados na revista Mente e Cérebro em maio de 2007, levantaram uma possibilidade de solução para o mistério dos ferormônios entre os Homo sapiens.

Ao dissecarem uma baleia-piloto da marinha dos Estados Unidos, a expectativa da existência do nervo zero foi quebrada logo na abertura do crânio do grande mamífero.

Sabe-se que ao longo de milhares de anos de evolução, as fossas nasais de baleias e golfinhos migraram para o alto da cabeça. Uma das conseqüências foi a perda do nervo olfatório e, por conseguinte, o sentido do olfato. Os cientistas sabiam que se o nervo zero estivesse relacionado com a olfação, ele provavelmente teria sido abandonado, mas se ele estivesse envolvido com outra função, certamente seria encontrado na baleia.

Mas o que é esse nervo zero?
O nervo zero, ou nervo terminal, é um nervo que nasce na base do cérebro e se comunica com a amígdala, área cerebral associada ao comportamento sexual. O anatomista alemão Gustav Fritsch foi o primeiro a observar esse nervo enquanto estudava tubarões. Nos humanos ele foi visto em 1913.

Recebeu esse nome porque o grego Galeno de Pérgamo (131-201) já havia descrito os 12 pares de nervos cranianos, os quais se encontram bem fixados na literatura e no universo médico. Como tal estrutura é anterior ao nervo olfatório (nervo I), decidiram nomeá-la de nervo zero, de modo a evitar gastos com reedições de livros de anatomia.

Especula-se que o nervo terminal esteja envolvido com atração subliminar sexual. A sua relação com o órgão vomeronasal é o argumento para tal tese, uma vez que, em contato com tal órgão, os ferormônios influenciam a periodicidade do ciclo reprodutivo de roedores e também a ovulação.

Alguém pode até dizer: “Um homem não é um rato, não faz sentido uma correlação”.

Engano, pois em uma pesquisa da USP com calouras que vieram de outros estados para morar em um pensionato na cidade de São Paulo, notou-se que, após alguns meses, as datas das menstruações das estudantes passaram a coincidir. A ginecologista Lizandra Marcondes do Hospital São Camilo afirmou: “mulheres que moram juntas trocam estímulos imperceptíveis, os quais afetam o ciclo menstrual e fazem coincidir a ovulação como forma de competição”.

Em 2006, a neurobióloga Linda Buck (Nobel de medicina em 2004 graças à contribuição ao estudo da organização do nervo olfatório) identificou uma família de proteínas receptoras no nariz de camundongos, especificamente na superfície de neurônios que detectam ferormônios. Ao todo são 15 proteínas chamadas TAARs (receptoras de tiamina). Certamente não é uma coincidência existir genes para pelo menos 6 TAARs em seres humanos.

Sabe-se também que o nervo zero está associado à liberação de gonadotrofinas (GnRH), secretadas pela hipófise. Segundo a embriologia, estudos mostram que os neurônios produtores de GnRH usam o nervo zero fetal como eixo para migrar para específicos lugares no cérebro. A síndrome de Kallmann, a qual impede o amadurecimento sexual, é o resultado de uma possível interrupção desse processo embrionário.

Sem dúvida, a tese sobre a existência e a influência de ferormônios em humanos está se tornando cada vez mais plausível. Até que tudo não seja devidamente esclarecido, aquela velha química do amor estará sendo livremente inspirada, nos ajudando ou não como Cupido.

Anúncios

4 Respostas to “O QUE SÃO FERORMÔNIOS?”

  1. Felipe, primeiro gostaria de parabenizar pela maneira como consegue se expressar… você é claro, conciso e utiliza figuras de linguagem que trazem enorme riqueza ao seu texto!
    Mas, apesar de citar autores e nomes de trabalhos no portfólio, você esqueceu de colocar as fonte… E isso é muiiiiito importante!!! Não apenas no portfólio, mas em todos os trabalhos que você vier a realizar!!!
    Assim, tente corrigir esses dois detalhes no seu próximo trabalho: procurar fazer intercorrelação com outras matérias aprendidas e sempre citar as fontes de artigos, vídeos e fotos colocadas no portfólio, ok??!!!
    Bom, acho que é isso…

    Caso tenha alguma dúvida sobre a correção ou alguma outra coisa, pode me enviar um email ou me procurar na faculdade, ok?? Terei prazer em poder ajudá-lo… Ou pelo menos em tentar!! 🙂

    beijocas,

    Ellen

  2. Parabéns pelo texto!
    Tirou muitas dúvidas…
    mas como sou curioso, ainda tenho uma:
    Há alguma pesquisa que diga em que fase do desenvolvimento embrionário o “nervo zero” é formado?

  3. Muito bom seu texto….
    Parabéns!!!!1


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: